É T I C A

“Pai  leva seus dois filhos ao circo, chega à bilheteria:
– quanto custa a entrada?
– R$ 30,00 a adultos e R$ 20,00 aos menores de 7 a 14 anos; crianças até 6 anos não pagam, respondera o vendedor; 
– quais idades das crianças?
– O menor tem 3 anos e o maior 7 anos, informara o pai.

O bilheteiro, com largo sorriso:

– acaso dissesse que o mais velho  6 anos, eu não perceberia, e o senhor economizaria R$ 20,00;

– é verdade, pode ser que tu não notasse, mas meus filhos saberiam que eu menti para obter uma vantagem, e jamais se lembrariam desta tarde como momento especial, e a verdade não tem preço, pois, hoje, não ‘economizo’  R$ 20,00, que não é justo por direito, mas, ganho a certeza de que meus filhos saberão a importância de sempre dizer a verdade, finalizara o cliente.

Emudecido, o atendente sentira  vivenciar  tarde especialíssima, jamais antes no seu ambiente de trabalho. 

Ilustrativa a cena, na qual correta atitude de um pai, que permite  conclusão:
a) nada deve substituir a verdade; 
b) educar é dar exemplo.
c) jamais cedamos às pequenas concessões imorais e injustas, porque seus preços serão altíssimos;
d) palavras convencem, mas exemplo arrasta, é muito mais marcante”.
Corrupção, igualmente desonestidade, começa nos gestos, que passados às novas gerações como algo comum, desencadeiam prejuízos sociomorais irreversíveis, muitas das situações.
Pensemos  a respeito, e, acaso necessário, sem complacência perante propositais malfeitos, mudemos comportalmente!

JSS