Monthly Archives: Abril 2018

____  JEITO  BRASILEIRO ____

Não apenas uma dessas “bandeiras”, porque há, no mínimo, três dezenas de outras agremiações chamadas político-partidárias — longe de moralidade –, com significação organizacional criminosa de fato e, claro, recintos propícios à acomodação de elementos propensos a engendramentos delituosos ou ao encorajamento às participações em ilícitos de variadas tipificações (especificidades) penais, preferencialmente vocacionados às atuações danosas conhecidas como “colarinhos-brancos”, é monte de gente amante da produção alheia nas formas concussão, peculato, descaminho, corrupção, nepotismo etc.

Lutemos, efetivamente, por limpeza geral, ou seja, não vir à tona apenas esse “ti-ti-ti” e outras formas de transferências de responsabilidades a terceiros, e, finalmente, mostremos capacidade de imprimir mudanças às melhorias esperadas ou reclamadas, que não sejam somente falácias até eventuais surgimentos de oportunidades de descambar desmedidamente em proveitos próprios ou benefícios a interessados-aliados em esquemas, sejam quaisquer tipos de organização de domínio estatal que resultam deformações, econômicas, ambientais, instrutivas-culturais e, finalmente, sócio-moral generalizada!
João S. Souza

PICARETAGEM JURAMENTADA

Ciro Gomes afirma, em vídeo — disponível na web –, que “ninguém é idiota para acreditar na inocência de Lula”.
O mesmo Ciro, há um ano, dissera ter plano de sequestrar Lula e levá-lo a se refugiar em embaixada estrangeira acaso decreto de sua prisão, que seria mais um cometimento de crime dentre os tantos praticados por esses aproveitadores da indigência popular. 

Pois bem, dia 7 do corrente mês de abril e ano 2018, como todo brasileiro é sabedor, o pretenso “paciente” (ex-presidente) do falastrão (ex-prefeito de Fortaleza e ex-governador do Ceará e ex-ministro), ao invés de aparecer, pessoalmente, perante o seu “protegido” a lhe prestar ao menos “apoio moral”, manteve-se distante daquele sindicato dos metalúrgicos em São Bernardo do Campo e alheio  ao referido próprio pronunciamento (juramento) protetivo do passado  de Ciro Gomes na Televisão. Portanto, mais uma das usuais bravatas (invencionices) malintecionadas do gênero eleitoreiras nas quais se enquadram governantes do Estado brasileiro, são os chamados políticos.
João S. Souza

“DOIS MAIS DOIS SÃO CINCO”

MORALIDADE depende, particularmente, de cada BRASILEIRO?
Depende quem seja, eventualmente, agente sujeito a enquadramento: pobre, ou rico; branco, ou negro; instruído, ou canhestro; cargo/profissão; localização residencial; e observada, certamente, vinculação partidária — esta, descompromissada perante ideologia –, portanto, para o PoVo TuPiNiQuIm, quanto à moral, à ética, à democracia e à justiça são comparadas às peças-acessórias à composição de paramentos, porque concebidas a bel-prazer e atreladas à conformidade de interesses individuais atentos, momentaneamente, às próprias razões quase sempre cunhadas de desejos inconfessáveis, e pau que dá em Xico é desviado de Francisco!
João S. Souza

VAIVÉM, VÃO E VÊM, NÃO EM VÃO CAMINHÕES DOS LADRÕES

Há anos, meses, semanas, dias e horas quase nada se fala sem a ingerência de algo ligado à “Lava-Jato” e, consequentemente, às outras operações do gênero apuratório face às incontáveis suspeitas de crimes exclusivamente contra o erário (dinheiro) público brasileiro, em todas esferas dominadas, objetivamente, pelo Estado (municipal, estadual e federal) na sua atuação direta (órgãos oficiais) e, também, indireta operada nas diversas maneiras (empresas públicas, economia mista e as parcerias públicas-privadas) de esvaziamento dos cofres estatais, que, à luz das evidências com clareza tropical, exibidas, ininterruptamente, ao conhecimento de quem não usa, convenientemente ou não, venda a cobrir, inteiramente, sua visão.
Destrinchar o sistema criminoso atuante por vários séculos no Brasil necessitar-se-á muito mais tempo e ações efetivas do que despendido nessas buscas, que, se não possibilitam reparações dos gravíssimos e generalizados danos causados à populacão — principalmente à parte mais vulnerável dos habitantes –, ao menos resultar-se-ão parcial, mas, importantes estancamentos de desvirtuamentos em todos sentidos, especialmente, claro, em relação aos sangramentos, inclusive literal, provocados por tantas e descaradas roubalheiras.
João S. Souza