Monthly Archives: Março 2018

“REALITY SHOW”

Sempre a mercê de terceiros é nossa generalizada realidade desde a concepção “governança pelo povo e em seu nome exercida”, que o “humano”, em vez de exercício da autogestão (próprio direcionamento), a cada limiar de década ou século situa-se longínquo da percepção desse acometimento de ofuscar congênito da íris sobre a totalidade terráquea, pois, alcançado, impiedosamente, por essa moléstia, que gravemente afeta a extremidade sul deste planeta sob sol-meridiano a descoberto composto com a inata geração de Cabral.
João S. Souza

“LOUCURA, LOUCURA”

“Figuras-de-linguagem” impostas, irrestritamente, via agentes de instrumentos midiáticos, que não se corrigem mesmo que a ‘porca tussa’ perante os mortais, e, ao que parecem, operam sem indicação de reta direção, descambam ladeira a baixo e frontalmente às esparsas resistências de inconformados.
Esse nacionalismo instituidor contumaz de erro como acerto é regra à formação desses despenhadeiros, como “ela (empresa) não irá estranhar…” (Max Behringer, colunista diário CBN – 07:26h – 29/03/18), além das curtas-frases do âncora (M. Jung) proferidas nos minutinhos posteriores, formadas, repetidamente, com “segue”, “acaba”, ao longo etc.
A partir de 1996 o trabalho público impresso “Antídoto”, periódico mensal, seguido por livros desde 2001 (distribuições onerosas e gratuitas), invoco nosso dever de ensejar, socialmente, implemento de melhorias, entretanto, tais “manufaturas” não ressoam nos ambientes que geram, indubitavelmente, transformação de conduta social, pois, ao contrário, disseminam desacertos no campo instrutivo, que, ora, referencia, restritamente, a conhecimento básico.

João S. Souza

MOROSIDADE INSTITUCIONAL

PRINCIPAlMENTE ADVOGADOS e JORNALISTAS — não necessariamente  únicos –– TÊM a RAZÃO do ACÚMULO (quantidade) no STF, e necessário apenas observar os anos dos protocolos, respectivos números de entradas dos processos e quantos (soma)  em tramitação (“andamento“) no Supremo Tribunal Federal:
1969 (1), 1978 (1), 1981 (2), 1982 (1), 1986 (3), 1987 (4), 1988. (2), 1989 (9), 1990 (12), 1991 (13), 1992 (11), 1993 (14), 1994 (22), 1995 (28), 1996 (19), 1997 (26) 1998, (47), 1999 (52), 2000 (101), 2001 (69), 2002 (117), 2003 (203), 2004 (239), 2005 (308), 2006 (643), 2007 (890), 2008 (641), 2009 (800), 2010 (998), 2011 (862), 2012 (986), 2013 (1.272), 2014 (1.432), 2015 (2.684), 2016 (4.301), 2017 (16.202), 2018 (10.708);
T o t a l = 43.723
J.S.Souza

INTOCÁVEIS ou ENTOCADOS

Há um ano (24/03/17):
“Que confusão filha da p… que fizeram com você, hein?”.
São palavras do Aécio Neves ao abriu a porta da suíte delator, no sétimo andar do Hotel Unique, em São Paulo, ao visitante Joesley Batista — JBS-Friboi –, o delator,  conforme a operação da Polícia Federal ao apurar adulteração de carne. A Procuradoria da República denunciou-os por corrupção passiva e obstrução da Justiça, bem como há outros pedidos de prisões do indigitado, em tramitação no foro privilegiado (STF), mas, até hoje, resultaram apenas na curta suspensão do seu mandato parlamentar por 2 semanas e as detenções por brevíssimo período de um mês da sua irmã Andreia Neves, do seu primo Frederico, além de Menderson, assessor do senador Zezé Perrela, este, cujos laços de estreitas parceria e amizade com os Neves são conhecidos. 

Por todos as práticas nada mais que a ocorrência do brevíssimo das prisões-temporárias dos colaboradores dos senadores, pois, feitos leves soltos. 

Nada mais a informar ao grande público brasileiro, porque provas, diga-se, contundentes e irrefutáveis (inegáveis) existem, vistas a olho nu,  cometimentos dos relacionados crimes.
João S. Souza