Monthly Archives: Agosto 2017

IGNORÂNCIA/BURRICE/INICIATIVA/INÉRCIA

Napoleão Bonaparte, governante francês, classificava seus soldados em quatro quadros:

1 – inteligentes com iniciativa;

2 – inteligentes sem iniciativa;

3 – ignorantes sem iniciativa;

4 – ignorantes com iniciativa.

Aos inteligentes com iniciativa, dava-lhes funções de comando e estratégico.

Os inteligentes sem iniciativa, Napoleão deixava-os como oficiais para receberem ordens superiores, a cumpri-las diligentemente.

Os ignorantes sem iniciativa, colocados à frente da batalha — espécie “buchas de canhão”.
Ignorantes com iniciativa, Napoleão odiava-os, não os queria em seu exército, exonerava-os, são capazes de besteiras enormes e depois, dissimuladamente, tentam ocultá-las, pois, suas iniciativas produzem impropiedades, falam indevidamente, relacionam impropiamente  e depois dizem que desconhecia informações, além de os ignorantes com iniciativa causam perdas a boas ideias, bons projetos e bons homens. Esses ignorantes com iniciativa, quando produzem, quase sempre desastrosamente, porque alteram processos definidos mediante lógica, portanto, causam grandes riscos impeditivos de desenvolvimento e progresso.

Qual o meio de se livrar dos ignorantes com iniciativa?
Há tantos burros — inclusive e principalmente eleitores –, que ordenam, direta e indiretamente, gente inteligente, induzem pensamento de que a burrice é uma ciência, isto, à luz do entendimento do brasileiro Rui Barbosa (1849/1923).

V O T O, LIVRE ESCOLHA!

O “voto nulo”, independente do imperativo legal (Código Eleitoral), é, na pior das hipóteses, demostração de repúdio e a desmoralização do processo eleitoral brasileiro (imoral, acaso não ilegítimo), além de, eventualmente, aconteça elevado sufrágio da “nulidade” (superior a 50% do eleitorado-votante) favorecerá e subsidiará argumentação em possíveis pleitos ante aos tais “eleitos-representantes” e, claro, facultará procedimento judicial, quão factível reinvidicação pública, que, certamente, trarão algum resultado prático e, quiçá, efetivo atendimento à vontade da maioria!
João S. Souza

 

DITADURA/REGIME MILITAR

Essa “ferida”, não curada totalmente, invoca discussões e, também, paixões, cada ‘interferência’ com suas razões . Eu não me faço de “rogado” frente ao tema, e consta de dois textos do “REFLEXOS CONTIDIANOS” — livro a lançar no próximo dia 12 de setembro — composto de 3 contos e 129 crônicas.
Democracia, embora não seja primor (pureza) de governança, mas, permite sua (própria) avaliação-crítica pública, independente de fonte e qual seja grau ou profundidade (teor) de eventuais proposições!
João S. Souza

CONFIANÇA no AMANHÃ

Quem planta tâmaras não colhe tâmaras”, porque a frutificação de tamareira após 80 anos. 
Certa vez, um jovem encontrou um senhor idoso a plantar sementes de tâmaras, e lhe perguntou:
– por que plantas tâmaras, se não as colherás?
Respondeu o ancião, acaso todos humanos  pensassem como tu, ninguém comeria tâmaras.
Cultive, construa e plante ações que não sejam exclusivamente para ti, mas, sirvam a outrem.
Nossas atitudes refletem hoje e no futuro, igualmente importante ao tempo de colher é o de semear —  sameio  em áreas públicas e particulares — sementes frutíferas alimentares que seriam descartáveis.

João S. Souza