Monthly Archives: Julho 2017

“D-O-E-N-Ç-A S-O-C-I-A-L”

G R I T O S  e choros, provocados  pelo “coração”, levam a polícia à casa de dois idosos.

O casal Jole, de 84 anos, e Michele, de 94 chorava em pranto comovedor, vítimas de solidão.

Avisados por vizinhos, quatro policiais italianos bateram à porta de um apartamento em Roma, e dentro da casa, segundo o jornal La Repubblica, os agentes testemunharam cena surpreendente, que os deixou de boca aberta , quase partiu seus corações, ao se depararam com os idosos abandonados e  lágrimas  descontoladas.  

Os quatro agentes chegaram ao local porque alguns vizinhos denunciaram gritos e choro provenientes do domicílio, e, ao adentrarem no recinto, perceberam ali nenhum delito, sim choros de Jole e seu esposo Michele (pronuncia-se italiano os  nomes “Iôle” e “Mikéle”), ela com 84 anos, ele com 94, ambos vítimas de “incurável” solidão, abandonados, com lágrimas  descontoladas.  

Parte dos vizinhos dos idosos mudaram-se, além do esvaziamento da cidade  em razão das férias de verão europeu, dentre as várias razões aparentemente banais, acumuladas na alma a ponto de explosão. Os idosos abordados também choravam por desânimo e preocupação face às horríveis notícias que viam o tempo todo na televisão.
A situação impactante – comum mais do que se possa imaginar – provocou nos policiais a iniciativa, no mínimo surpreendente positivamente, um deles,  preparou, imediatamente, jantar, enquanto os outros três sentaram-se ao lado dos dois anciãos e lhes deram um dos presentes mais belos, inesquecíveis e “impalpáveis”,  pelo qual os idosos tanto esperavam de OUTREM,  conversaram durante hora com os desolados.

JSS

F-I-F-A

FUTEBOL — “unanimidade” brasileira — criação inglesa secular e contemporânea da invenção do AVIÃO, entretanto, carente de evolução ou aperfeiçoamento a provocar mais dinamismo, o que será possível acaso ocorram modificações, por exemplo penalizar (“falta”) recuo intencional da BOLA ao goleiro, independente da forma (pé, cabeça, peito)!
João S. Souza

M_E_D_I_O_C_R_Á_T_I_C_O

Proliferação do RUIM (péssimo), inclusive relativo a linguagem e, claro, “modus operandi” de crimes e, óbivio, as operações de bandidos, constituem-se falta de compreensão e/ou avaliação entre propriedade (adequado) e INCONVENIÊNCIA (não recomendado) ou irrazoabilidade!
Volumes de dados, principalmente “colas” (cópias), não representam, necessariamente, inteligência produtiva, convenhamos!
Salvo engano, gente que não lê tem preferência ou gosto por espalhar à coletividade degeneração, embora, aceitável cultivo (prática) pessoal (interiormente) mediante opção por gêneros visivelmente absurdos à luz da RAZÃO (raciocínio), desde que o faça particularmente (isolado e individualmente)

João S. Souza

O A-L-E-R-T-A

Sexo oral ajuda muito a espalhar superbactéria da gonorreia, e OMS – Organização Mundial da Saúde constatou queda no uso de preservativos, inclui, principalmente, a prática de sexo oral como disseminador (espalhamento) da super-bactéria da gonorreia, a torná-la cada vez mais difícil de tratamento. Em algumas situações, a cura foi considerada “impossível” em pacientes na Europa e no Japão.

O alerta lançado na última sexta-feira pela OMS, depois de constatar que a infecção sexualmente transmissível — responsável também pela infertilidade — rapidamente desenvolve forte resistência aos antibióticos.

Não bastasse esse desleixo sócio-humano, a indústria farmacêutica investiu pouco nos últimos anos no combate a essa doença e, portanto, os novos remédios que chegam ao mercado são escassos. Para um dos produtos tradicionalmente usados, o ciproflaxacin, a eficácia registrada em 97% dos países avaliados pela OMS.

Atualmente, apenas um remédio é considerado como eficiente, o ESC.

A OMS estima cerca de 78 milhões de pessoas contaminadas a cada ano pela doença. Levantamento realizado em 77 países,  inclusive o Brasil,  a Entidade médica constatou que a resistência é “generalizada”.

A gonorreia, em alguns casos, não obteve cura, dois dos quais, registrados na Europa — na Espanha e na França — e uma ocorrência no Japão.

“Trata-se de uma bactéria muito “inteligente” e, cada vez, enquanto  novo antibiótico é introduzido, ela se torna mais resistente”disse Teodora Wi, a responsável pela agência da ONU para Saúde.

Em apenas 15 anos, a comunidade médica obrigada a mudar de tratamento três vezes diante da ineficiência dos produtos e da resistência desenvolvida. 
A agência de saúde considera o cenário “muito preocupante”.

O que mais aflige a OMS é o fato de que a maioria das infecções registram em países considerados pobres, onde os estudos sobre a resistência da doença são mais escassos e o monitoramento, frágil, como o Brasil. 
“O que se sabe  apenas apontamento da pontinha do iceberg”, alertou Wi.”

A infecção afeta as partes genitais e  aumentar o risco de HIV, é  impacto na garganta o que mais preocupa no tange à capacidade da doença em sofrer mutação e maior resistência aos remédios  por causa da mistura que a bactéria identifica com o tratamento contra uma infecção regular da garganta causada pela bactéria Neisseria gonorrhoea, a doença é espalhada com maior facilidade ante à queda no uso de preservativos, e o fato de seus sintomas serem pouco conhecidos para uma parte importante da população,  desenvolve a doença sem tratamento adequado.

Face dos riscos, a OMS apela para que governos monitorem a resistência da doença e que invistam em novos remédios. Mas, para a entidade mundial, apenas o desenvolvimento de uma vacina  freiará de forma definitiva a proliferação.

João S. Souza