Monthly Archives: Abril 2017

________ REFEXÃO _______

Olhar reflexivo sobre si e OUTREM:

NASCIMENTO através de outrem;

NOME atribuido por outem;

EDUCAÇÃO por outrem;

RENDA, mesmo que indiretamente, vem por meio de outrem;

RESPEITO a si é incentivado por outrem;

Primeiros BANHOS dados por outrem;

ÚLTIMA preparação feita por outrem;

O FUNERAL será realizado por outrem;

PERTENCES ou PROPRIEDADES herdados por outrem;

Questiono-me por qual motivo muitos de nós deixamos o nosso EGO, nosso TEMPO, nossa CARREIRA, nosso DINHEIRO e nossas CRENÇAS nos levarem a menosprezar o valor de OUTREM em nossas vidas, porque na verdade os nossos feitos envolvem outrem.

É hora de todos nós simplificarmos, reajustarmos e modificarmos nossa percepção da Vida e sobre a Vida, a fim de nos tornarmos mais amorosos, mais humildes e vivermos pacificamente com OUTREM, pois, nesta vida, precisamos uns de outros todo tempo.
Sejamos gratos!
Cada indivíduo sempre ou eventualmente OUTREM ou o “OUTRO”.
Cuidemos uns dos outros, e lebremos que UM depende de OUTREM.
A propósito, disponível neste Site música (Reggae) com o título desta crônica.

DESCUBRA o BRASILEIRO

Cabral, descendente (DNA) longínquo do descobridor desse torrão, depõe — inclusive contra os milhões de eleitores cariocas — em juizo com sorriso estampado na sua cara-lavada.
Relaxado, emocionalmente, o miserável contumaz, ou demasiadamente safado?
João S. Souza

______ ISENÇÃO ______

Opinião e “bumbum” são posses pessoais intransferíveis, embora, modificáveis, quanto à primeira, alterar-se-á mediante melhor e/ou mais compreensão, enquanto a outra, há meio cirúrgico-estético a modificá-lo opcionalmente.
Imagino propriedade de expressão pública(rádio, tv), necessidade de conhecimento (preparação) básico, especialmente, capacitação verbal (vocabulário), além de compostura (ética, autocontrole) etc.
Desnecessariamente, afirmo inexistir qualquer problema pessoal ou profissional entre mim e o indigitado “apresentador-televisivo”, in casu, da “Alterosa”, mesmo porque não levaria em conta acaso ocorrência de desafeição, pois, opino sempre e sobre tantas questões, mas, independentemente quem e quais pessoas envolvidas ou protagonistas, objetos de eventuais comentários ou análises, diga-se, cotidianamente efetuados.
João S. Silva

AZAR em DOBRO

Não bastasse expropriações “regulares” da empresa fornecedora de água, que, enquanto quase exclusivamente “coleta” esgoto em grande parte de Minas, cobra valores escorchantes, inclusive taxa do inexistente tratamento dos referidos excrementos (canalizados, in natura), despejados em córregos, rios e lagos, além de exigir pagamentos por estimativas (desconsidera registros nos medidores — imposição de consumo mínimo ou ‘consumação’) e, também, faturamento por quantidade de unidades residenciais ou comerciais, que formam lucros distribuídos a acionistas — criação de Aécio Neves –, existem outros graves problemas a enfrentarmos, são bandidos, na “carona” do uniforme da Copasa, praticam roubos.
Luta à mudança, iniciada há 28 anos
(parcas ou insignificantes as vitórias), porque, suponho, a “mineiridade — temor a comprometimento social” é, viciadamente, silenciosa.
João S. Souza